Sejam bem-vindos ao outro lado do espelho, onde tudo pode acontecer (e acontece).

Wonderlando é um blog sobre textos diversos, descobrimentos e crescimento. A filosofia gira em torno do acaso, misturando fantasia e realidade de dois amigos que se conheceram também por acaso, Alice - que tem um país só seu -, e Yuri - chapeleiro e maluco nas horas vagas.

Leia, comente e volte sempre... Ou faça como a gente e não saia nunca mais.

26 de junho de 2006

House of Secrets

Estavam os dois deitados e cansados, conversando sobre segredos e mundos. Ela, por alguma mistura química do cenário e do tempo, decide contar ao garoto sobre sua infância. Nunca havia dito nada a ninguém sobre o que aconteceu. E então começou: "Quando eu era pequena, meu irmão abusava de mim". O garoto não entendeu e quis saber mais. "Doía muito!". "Não sei se rolava penetração, eu era muito pequena". "ele mandava eu fazer coisas...". A voz é interrompida por lágrimas. Ela o abraçou como se o monstro estivesse ali e o garoto fosse seu escudo sem armas posto à frente da besta. "Não corre, não conta pra ninguém senão vai ser pior" rondava na cabeça dela. O garoto, de uma forma quase egoísta e sadomasoquista, a tranquilizava e queria saber mais. Ele queria entender, chegou até a dizer que isso é normal. Como pode ser normal? Como entender um incesto ou estupro? [eu não sei a classificação correta e isso não importa muito agora] Na mesma hora que ele disse que era normal, ela levantou de seus peito e lhe perguntou se ele já havia feito algo parecido com sua irmã. Ela disse com um certo tom de esperança, como se ele tivesse feito com a irmã dele, faria a dor dela diminuir. Mas "não" foi sua resposta. Ela perde a faísca de esperança que tinha e volta a ser criança em seus braços; e contava e chorava e o garoto se sentiu culpado. Por nada. Lágrimas se misturam enquanto o sono não vem.

Ela sabe o nome de seus demônios, como combatê-los? Ele a vê sempre, sempre com sorrisos. Ela tem salvação. Todos temos. Ela luta por isso, mas é muito sozinha e o medo a domina de uma forma absurda. Medo do escuro, porque ela sabe o que tem lá. Os monstros são reais e tocáveis. Esse é 1 caso de milhares. O que mais acontece quando a porta da frente da caixa de cimento está trancada? Segredos pesam mais do que parecem, e o garoto agora ajuda a carregar esse fardo. Mas será que ele aguenta? Desde aquele dia, não tem um dia sequer que ele não pensa no que aconteceu, no que acontece em todos os lugares que seu cérebro lhe permite ir. Então, ele se sente deprimido por não ter nenhum tipo de poder especial e não poder fazer muito a respeito de coisas desse tipo, nem de seus próprios defeitos.

O irmão dela? Um idiota com o cérebro praticamente inválido porque só o que ele sente é culpa e vontade de ser punido pra pagar seus pecados. E só ouve músicas violentas e gritantes porque aquilo entra em seu cérebro e faz com que ele tenha sossego dele mesmo. Ele mal olha pra sua irmã e evita conversa, por vergonha e arrependimento. Ele não passa de um verme escroto e sabe disso. Embora tenha feito "na inocência", o fardo pesa hoje e vai pesar pro resto da vida. Ela, a garota, se deprime ainda mais, porque sente falta do irmão.


Então, alguém fecha as cortinas da janela.

5 comentários:

.H.deLata. disse...

tell me something bou humans that i dont know

.H.deLata. disse...

[the animals scratch at my skin]
it's not happening, it's not happening.

*ju disse...

ngm consegue fugir do passado neh!

Burlesca disse...

what is your thing whith rapes?

Alice, in hopes of finding that damn rabbit disse...

yeah! what is that?

psicóloga em vias dê pergunta:
"quer conversar sobre isso?"

hahahaa sempre quis falar isso!