Sejam bem-vindos ao outro lado do espelho, onde tudo pode acontecer (e acontece).

Wonderlando é um blog sobre textos diversos, descobrimentos e crescimento. A filosofia gira em torno do acaso, misturando fantasia e realidade de dois amigos que se conheceram também por acaso, Alice - que tem um país só seu -, e Yuri - chapeleiro e maluco nas horas vagas.

Leia, comente e volte sempre... Ou faça como a gente e não saia nunca mais.

25 de junho de 2010

Yuri

Há anos, o nome Yuri continua aparecendo significativamente para mim. Fora todos os 4 Yuris marcantes na minha vida, tenho certeza que ainda vou casar com um Yuri, ou vou ter um filho Yuri ou, muito mais provável, um cão Yuri. E outro Iuri, e outro Iury, e outro Yury...

O primeiro, amigo do meu irmão, lindo, cobiçado no colégio, usava tiara (época de Cauá Reymond em Malhação), veio dormir em casa. E depois, ah, ele me cumprimentava no colégio... com a mão na cintura ainda! Isso significava muito naquela época, hoje, nem tanto. Paixão platônica e só.

O segundo caiu perdido na minha classe, loiro, dentes um pouco tortos, nariz grande, cabeludo, uma graça. Todas as meninas gostavam dele também. Virou meu melhor amigo e meu primeiro amor. Com ele descobri o valor da amizade masculina - coisa que eu nunca mais vou dispensar. Ele nunca me olhou com os olhos que eu secretamente queria, mas publicamente negava. Às vezes, bem raramente, sinto o cheiro do perfume que usava e lembro com um grande carinho dele e da nossa aliada caneta bic verde.

O terceiro eu odiava. Mesmo. Cara tosco, metido, com cabelo cacheado como o primeiro e dentes tortos como o segundo, se achava o gostoso e mano do rap. Por meses o odiei. Até que fomos apresentados e nem sei como já dividíamos um blog. Ele me encantou de tal forma que me apaixonei. Platonicamente, como nos dois anteriores, ele também nunca me olhou com aqueles olhos. Até que eu cresci e virei mulher. Então, me viu. Um pouco tarde, mas assim foi melhor, melhor amigo, isso foi, isso é, isso continua firme. Com muito amor.

O quarto, desconhecido, barbudo, misterioso, dentes um pouco tortos também, ficou só me observando, tímido. Fui me apresentar e, quando ouvi o nome Yuri, soltei um incontrolável "Ah, não! Jura?". Como podia? Sou um imã de Yuris. Enfim. Yuri, o quarto, se tornou. E se mantém me mostrando outros "Ah, não! Jura?" - coisas maravilhosas que eu não acreditava que podiam existir, mas que existem.

Meus Yuris me fizeram e me fazem muito feliz. Nome abençoado.

***
Se você se chama Yuri e ainda não me conhece, entre em contato! Seja você também parte desta história de amores! Mande um email para: alice.frank@gmail.com
(Sujeito a número de vagas)

Um comentário:

• YuЯi Kiddo • disse...

mesmo sendo o terceiro, posso me candidatar para os próximos também?

que o 4º não tenha ciúme, tampouco tem motivo para, mas quero ser o presente e o futuro. os números próximos, sempre próximo!