Sejam bem-vindos ao outro lado do espelho, onde tudo pode acontecer (e acontece).

Wonderlando é um blog sobre textos diversos, descobrimentos e crescimento. A filosofia gira em torno do acaso, misturando fantasia e realidade de dois amigos que se conheceram também por acaso, Alice - que tem um país só seu -, e Yuri - chapeleiro e maluco nas horas vagas.

Leia, comente e volte sempre... Ou faça como a gente e não saia nunca mais.

25 de outubro de 2010

Sad Pony Guerilla Girl

Você diz que eu sou “loca” porque eu sou sua garota. Eu quero que brinque comigo, mas te quero sério, porque eu quero segurar a sua mão em público, poder posar nas fotos com o seu rosto no meu, sentar no seu colo para ouvir as suas histórias e chorar quando eu quiser. Sem vergonhas, sem vergonha!

Você sempre me deixa pra trás e me veste como um garoto, me disfarça porque eu sou seu amor secreto. Você diz repetidamente que nenhuma mulher ou garota te fez sentir assim antes. Se encanta com meu sorriso e meu jeitinho de quem brinca com a vida, sem responsabilidades. Você diz que eu sou estúpida por querer ser sua. Uma menina triste.

Eu quero contar pro mundo todo, você pede segredo. Mas eu quero contar quando eu brinco com meus carrinhos e você me pega por trás no banco de trás do meu carrinho. Cavalgando meu pônei eu quero te proteger e fugir com você. Me ama com seu corpo forte e cheio de tatuagens, veste minhas calças, arruma meu sutiã e vai para casa junto a suas outras crianças.

Eu vou te segurar quando tiver muito pesado. Me dê sua arma,"chico", descanse em meus braços, descanse em meu corpo. Você diz com seu sotaque latino que eu sou “loca” por querer ser somente uma garota. Eu quero ser a sua garota, seu amor eterno. Bermudas não me dizem nada, eu quero usar vestido pra sentir suas mãos subindo pelas minhas pernas. Deixa eu brincar com sua arma, vamos passear pelos bairros e atirar em quem for contra nós.

Eu vou ficar quieta e vou contar para todo mundo. E depois eu vou crescer e ficar sem graça e você vai querer me matar. Eu terei minha própria arma para nos proteger. Eu vou ficar quieta, mas vou contar até você descobrir. Então serei só uma menina triste novamente, vestida de guerrilheira com minhas roupas de menino cavalgando sozinha meu pônei, com meus carrinhos e minha arma...

Um comentário:

Milla Pupo disse...

como te disse: forte, sensível e capaz de machucar, como todo amor é.

adorei yurito, mandou bem.

besos =*