Sejam bem-vindos ao outro lado do espelho, onde tudo pode acontecer (e acontece).

Wonderlando é um blog sobre textos diversos, descobrimentos e crescimento. A filosofia gira em torno do acaso, misturando fantasia e realidade de dois amigos que se conheceram também por acaso, Alice - que tem um país só seu -, e Yuri - chapeleiro e maluco nas horas vagas.

Leia, comente e volte sempre... Ou faça como a gente e não saia nunca mais.

18 de janeiro de 2010

Espectadora de mim

Tâmara Porto Medeiros é minha suplente. Quando eu não estou bem, ela toma meu lugar no palco. Para isso, ela me segue nos ensaios, decorando minhas falas, vivenciando minhas cenas e recolhendo informações sobre minha personagem, para poder me substituir sem muitas diferenças. Minha suplente me acompanha em todas as peças que faço, sabe agir como eu. Logo, quando inicio uma nova peça, ela só precisa conhecer a situação atual, como é o momento desta personagem e imprimir meu estilo, que ela conhece muito bem.

Em cada nova montagem, que duram por volta de um mês, eu tiro uma semana para mim. Às vezes porque fico doente, às vezes porque quero dar uma chance para ela, que tem talento. Não precisa viver sua vida inteira como suplente. Por isso dou essas chances para a Tâmara. Além de ser um descanso para mim, é interessante observar-me de fora, ser espectadora de mim.

Lá vai ela... quebre uma perna! Sempre fico aqui, atrás das cortinas, sussurrando as falas com ela. “Mas não foi isso que aconteceu!”, ótima performance! Agora, a personagem se desculpa pela ligeira exaltação... “porra, eu disse que não foi isso que aconteceu! Eu cheguei lá e tudo tava jogado, eu não destruí suas merdas, não quero nem tocar nas suas merdas”. Tâmara, o que é isso? Essa não é a fala! Você se desculpa e abraça ele... “sempre você que está certo, sempre! Homem é tudo a mesma coisa, e eu sou cheia de chavões e estou pouco me fodendo!!! Se você é um clichê de homem, eu serei um clichê de mulher! Vou ser uma louca insana e gritar loucamente!”. Oh, não... Tâmara! Você está destruindo a peça! O cara que contracena com você nem sabe como reagir, você está sendo uma louca mesmo... preciso entrar no palco! Não, senhor, eu sou a atriz principal, eu preciso tirar ela do palco! Mas como assim, sou eu! Nos vemos todos os dias nos ensaios! Ela vai arruinar tudo! “Quero que você vá pra puta que pariu, que vá se foder, você e sua arrogância de merda! Você não serve pra nada, porco estúpido! Olha o que eu faço com seus preciosos livros! E com seus filmes! Tudo é mais importante que eu! TUDOOOOOOOOOO! VOU QUEBRAR TODAS SUAS MERDAS! E você saia daqui, que não agüento nem olhar pra tua cara!!!”.

Ela se calou, graças a Deus! Vai, diga algo cara! Nossa, ele está em choque... oh, não, e agora, o que ela está fazendo?! “Me desculpa meu amor, não me deixe, eu te amo, por favor, não me deixe, me desculpa! Eu não sei o que aconteceu comigo, por favor não vá... olha, olha pra TV!” – um comercial de ração? – “Poderíamos ser nós dois e o Totó, uma família feliz, oh não, não se vá, por favor! Eu sou uma idiota, não te mereço, mas não se vá, te amo, não se vá”. Ela está chorando e implorando? Como assim? Ela está em prantos, soluçando... ela não consegue nem respirar! Ela vai ter um treco! “Por favor!!!! Olha pra mim, estou me arrastando e suplicando, eu não sou nada sem você, por favor, não me deixe, te imploro! Olha pra mim, eu não existo! Eu vou morrer se você me deixar, vou morrer!! P-por favor, huh, por favor, não não não me deixe, uh, oh, não, eu não sei o que que, uh, fazer sem você!!!!! Eu não sei eu não sei! Você é tudo pra mim, tudo, p-pra mim, meu mundo, minha v-vida, nada faz sentido!! Eu te amo, te imploro, por favor, o que eu, huh, o que eu vou fazer????”.

Ela parou. De gritar, de berrar, de chorar, de soluçar. E deixou o palco. Eu entrei, para terminar a cena. Pedi desculpas e contornei a situação de forma sensata. Fiquei semanas sem ver Tâmara. Até que, um dia, ela reapareceu. E eu bem que precisava de uma folga. Então, dei outra chance a ela. Novamente, ela gritou, bateu, chorou, surtou. Sempre me esqueço que sua performance nunca muda, é sempre um surto. E não há nada que eu possa fazer, ela faz parte de mim.

“Eu choro vendo comercial de ração, e daí?!” - T.P.M.

5 comentários:

Anônimo disse...

suspeito de algo.
mas está m-muito bom!

Fê Ozzy disse...

Discordo de você quando me disse que a idéia era boa, mas o texto nem tanto. Gostei de ambos, achei genial.

Brunna S. disse...

dá um alívio ler tudo isso, ver q certas coisas são "normais", ou pelo menos não tão "anormais" qto eu pensava.
gostei do texto! e acho q gostaria de ler mais sobre Tâmara...rs

Carolromagna disse...

prazer, Tâmara!!!

Lucas Zecchin disse...

Ótimo !