Sejam bem-vindos ao outro lado do espelho, onde tudo pode acontecer (e acontece).

Wonderlando é um blog sobre textos diversos, descobrimentos e crescimento. A filosofia gira em torno do acaso, misturando fantasia e realidade de dois amigos que se conheceram também por acaso, Alice - que tem um país só seu -, e Yuri - chapeleiro e maluco nas horas vagas.

Leia, comente e volte sempre... Ou faça como a gente e não saia nunca mais.

16 de setembro de 2009

Esperança




A solidão é algo desesperador para mim. É ela quem me diz quem eu sou e me faz enfrentar a mim mesmo e só. Eu não sou capaz de me enfrentar, eu sou mais forte do que eu, e o meu eu é mais pesado e mais inteligente do que eu jamais serei.

Eu me sinto como um filme estrangeiro sem legenda, um simbolista surreal sem nexo, sem sentido, que espalha dores e amores por aí sem saber o que está fazendo. Mas ele sabe... Quer dizer, eu sei.

Quando eu me encontrei sozinho, percebi que precisava me mudar como pessoa. Por um lado, eu sou uma pessoa melhor, por outro, me tornei perigoso. De certo modo, eu sinto como se não tivesse nada a perder. Quando eu me tornei ciente disso, percebi que quando se encontra alguém importante de novo, se tem muito mais a perder e me seguro nisso desesperadamente e tento não foder tudo, porque caso contrário, a vida não teria mais valor para viver. E nada vale a pena. E isso é perigoso, isso é foda. E me sinto cada vez mais triste, tentando me segurar e escorar em pessoas, lugares e idéias... Mas sem sucesso.

Essa é a resposta quando me perguntam por que não consigo ficar sozinho. Eu adoro ter meu espaço, ser sozinho, mas solidão é foda. E me sinto cada vez mais triste e medroso, porque sinto o perigo disso a cada respirar. Uma hora para, e tudo acaba.

O que me conforta é saber que no Inferno encontrarei um monte igual a mim. E essa é a minha esperança para o fim da solidão.

2 comentários:

Julien, não Lucien disse...

apesar das críticas e da pergunta que já fiz...

o apoio é necessário, mas cada um decide onde estar, a posição que ficar e o tempo que durar. o comum acordo é essencial. as suas necessidades são as de outros também.

e não é preciso se enteder o tempo todo. às vezes a racionalidade atrapalha e a tomada de consciência se transforma na representação das falhas, quando se esquece tudo que há de bom além do problemático.

não sinta-se assim, nada é tão imperfeito.

;)

=*

Brunna S. disse...

Gostei muito desse desenho!